KPI: o que é, como definir e principais exemplos para aplicar

Confira neste artigo um guia completo sobre o que é KPI, quais são as suas características, tipos e classificações e entenda o passo a passo para definir e gerir bons KPIs e obter mais resultados, além de ver os principais exemplos para aplicar na sua empresa.
Não quer ler? Você também pode ouvir o post aqui abaixo
Getting your Trinity Audio player ready...

KPI significa Key Performance Indicator e é um indicador-chave de desempenho que mede o progresso em relação às suas metas e objetivos estratégicos. Ele fornece uma medida quantitativa para avaliar o sucesso da sua empresa e dos seus processos, ajudando a direcionar ações e tomar decisões informadas.

Você já ouviu falar em KPI? Se sim, sabe qual é a sua importância para a estratégia de crescimento do seu negócio?

De acordo com Peter Drucker, se não podemos medir, não podemos gerenciar. Dessa forma, não é possível gerenciar o crescimento da sua empresa a longo prazo a menos que você meça e acompanhe de perto os seus resultados.

Se você não sabe como fazer isso, estamos aqui para te ajudar!

Afinal, essa é a principal função de um KPI!

Por meio desses indicadores, é possível obter um maior retorno sobre os seus investimentos e alcançar os seus objetivos de forma mais assertiva.

Neste artigo, trouxemos um guia completo sobre eles, no qual vamos falar desde a sua definição, importância, características, tipos, classificações e diferenciações até o passo a passo para implementá-los e gerenciá-los na prática e os melhores exemplos para você aplicar na sua empresa.

Boa leitura!

O que é KPI e qual o seu significado?

A sigla KPI significa Key Performance Indicator, que, traduzido para o português, quer dizer indicadores-chave de desempenho.

Dessa forma, os KPIs constituem métricas específicas utilizadas para avaliar o progresso e o sucesso da sua empresa em relação aos seus objetivos estratégicos.

Eles são selecionados com base nas suas metas e prioridades, fornecendo informações valiosas sobre o desenvolvimento e a eficácia das suas operações. Além disso, variam de acordo com o seu nicho de mercado e os seus objetivos.

Esses indicadores fornecem uma visão clara sobre o desempenho do seu negócio e permitem tomar decisões mais informadas e estratégicas para potencializar os seus resultados.

Ao utilizar um KPI de forma adequada, é possível monitorar o progresso, identificar áreas de melhoria e direcionar melhor os seus esforços para bater metas.

Desse modo, eles são essenciais para obter uma gestão mais estratégica e auxiliam na tomada de decisões embasadas em dados concretos, promovendo o crescimento e sustentando o sucesso da sua empresa a longo prazo.

Qual a importância de ter KPIs?

Como você já deve ter percebido, os KPIs desempenham um papel fundamental no sucesso e no crescimento da sua organização.

No entanto, para deixar ainda mais claro, separamos algumas razões importantes pelas quais um KPI é crucial:

  • Avaliação do desempenho: os KPIs permitem uma avaliação objetiva e quantificável do desempenho da sua empresa. Isso porque eles fornecem métricas tangíveis que ajudam a monitorar e medir o progresso em relação às metas estabelecidas, o que possibilita identificar áreas de sucesso ou que precisam ser aprimoradas;
  • Alinhamento estratégico: os KPIs ajudam a alinhar as atividades e os esforços do seu negócio com os seus objetivos. Ao estabelecer indicadores-chave, todos os membros têm clareza sobre o que é importante e podem concentrar seu trabalho em áreas críticas para alcançá-los;
  • Monitoramento do progresso: um KPI serve como um sistema de monitoramento contínuo. Ele permite acompanhar o progresso ao longo do tempo e identificar tendências e padrões. Isso é essencial para fazer ajustes e melhorias conforme necessário, garantindo que você esteja no caminho certo para alcançar seus objetivos;
  • Comunicação eficaz: os KPIs facilitam a comunicação entre as equipes e os stakeholders. Isso porque eles fornecem uma linguagem comum e um conjunto claro de métricas para discutir o desempenho e os resultados, ajudando a alinhar expectativas, compartilhar informações relevantes e promover uma cultura de transparência e responsabilidade.

Principais características de um KPI

Agora que você já entendeu o que é e qual a importância de um KPI, vamos falar dos principais aspectos que o caracterizam e o tornam único e essencial. Confira:

Mensurável

A primeira característica de um KPI é ser mensurável. Isso significa que o indicador deve poder ser medido de forma quantitativa ou qualitativa, por meio de dados concretos e observações objetivas.

A importância dessa característica está na capacidade de fornecer uma base sólida para a avaliação do desempenho. Ao ter um KPI mensurável, você pode coletar dados relevantes e objetivos, permitindo uma análise precisa e uma compreensão clara do progresso em relação às suas metas.

Além disso, a mensurabilidade permite o monitoramento contínuo do indicador ao longo do tempo, possibilitando ajustes e melhorias quando necessário.

Por fim, ter KPIs mensuráveis contribui para uma tomada de decisão informada e direcionada, fornecendo uma base sólida para o planejamento estratégico e a gestão eficaz dos recursos da sua empresa.

Relevante

A segunda característica de um KPI é ser relevante. Isso significa que o indicador deve estar diretamente relacionado aos objetivos e metas da sua empresa.

A importância dessa característica reside no fato de que um KPI relevante fornece informações valiosas sobre áreas críticas e impactantes para o sucesso da organização. Ele ajuda a identificar os aspectos mais importantes, direcionando os esforços da equipe e dos recursos para as áreas que realmente importam.

Um KPI relevante evita que a organização se perca em métricas desnecessárias e se concentra nos aspectos-chave do desempenho. Isso permite uma análise mais precisa, tomada de decisão mais estratégica e ações mais eficazes.

Estratégico

A terceira característica de um KPI é ser estratégico. Isso significa que o indicador deve estar alinhado com os objetivos de longo prazo da sua empresa.

A importância dessa característica está no fato de que um KPI estratégico permite acompanhar o progresso em direção às suas metas e direcionar os seus esforços para impulsionar o sucesso a longo prazo.

Um KPI estratégico está intimamente ligado à visão e missão da organização, fornecendo uma medida clara do desempenho em áreas críticas. Ele ajuda a identificar se as atividades estão alinhadas com a direção estratégica, permitindo ajustes e decisões informadas para garantir que você esteja no caminho certo.

Dessa forma, ter KPIs estratégicos garante que a organização esteja focada nos resultados de alto impacto e ajuda a criar uma cultura de excelência, impulsionando o crescimento sustentável e a vantagem competitiva.

Consensual

A quarta característica de um KPI é ser consensual. Isso significa que o indicador deve ser compreendido e aceito por todas as partes interessadas envolvidas, incluindo líderes, equipe e demais stakeholders.

A importância dessa característica reside na criação de um senso de união e comprometimento em relação ao KPI. Quando todas as partes concordam com o indicador escolhido, há uma maior probabilidade de colaboração e alinhamento em torno dos esforços para alcançá-lo.

Além disso, um KPI consensual promove a transparência e a responsabilidade, pois todos estão cientes do que está sendo medido e do seu impacto no desempenho geral.

Assim, ter um KPI consensual ajuda a evitar conflitos e mal-entendidos, fortalecendo o engajamento e o envolvimento de todos na busca dos objetivos.

Prático e objetivo

A quinta característica de um KPI é ser prático e objetivo. Isso significa que ele deve ser facilmente compreendido e aplicado na prática e baseado em dados concretos e mensuráveis, evitando subjetividades e interpretações ambíguas.

A importância dessa característica está na clareza e na simplicidade do KPI, facilitando sua implementação e utilização. Um KPI prático e objetivo permite uma análise direta do seu desempenho, fornecendo informações claras e acionáveis. Ele também facilita o acompanhamento contínuo e a comparação ao longo do tempo.

Além disso, um KPI prático e objetivo é mais fácil de comunicar a todas as partes interessadas, permitindo uma compreensão compartilhada e uma tomada de decisão mais informada.

Como classificar os KPIs?

Como você já percebeu, os KPIs são bastante amplos. Desse modo, separamos a seguir algumas formas de classificá-lo para tornar a sua utilização ainda mais assertiva. Veja a seguir:

De produtividade X de qualidade X de capacidade

A primeira classificação de um KPI diz respeito à natureza e ao foco do indicador de desempenho. Cada uma dessas categorias mede aspectos diferentes do desempenho organizacional:

  • KPIs de produtividade: estão relacionados à eficiência e ao uso adequado dos recursos e medem a quantidade de trabalho realizado em relação aos recursos empregados. Exemplos de KPIs de produtividade incluem a produção por hora, o número de tarefas concluídas por funcionário ou a taxa de utilização de equipamentos;
  • KPIs de qualidade: medem a capacidade de uma organização de fornecer produtos ou serviços de alta qualidade e se concentram na satisfação do cliente, na conformidade com padrões e especificações e na redução de defeitos ou reclamações. Exemplos de KPIs de qualidade incluem a taxa de satisfação, o número de defeitos por unidade ou tempo médio de resposta às reclamações recebidas;
  • KPIs de capacidade: estão relacionados à habilidade de atender à demanda e ao crescimento e medem a capacidade de produção e de recursos e a eficácia da sua utilização. Exemplos de KPIs de capacidade são a taxa de utilização da capacidade, o tempo médio de produção e a capacidade de resposta a picos de demanda.

Estratégicos X táticos X operacionais

Já em relação ao nível de abrangência e à sua relação com os diferentes níveis de gestão dentro da sua empresa, os KPIs são classificados em:

  • Estratégicos: diretamente ligados aos objetivos de longo prazo do seu negócio. Fornecem uma visão ampla do desempenho em áreas estratégicas, geralmente relacionadas ao crescimento, à vantagem competitiva e à sustentabilidade do negócio. Exemplos de KPIs estratégicos incluem a participação de mercado, o retorno sobre o investimento ou valor da marca;
  • Táticos: são utilizados em níveis intermediários de gestão para acompanhar o progresso em relação às metas. São mais detalhados e operam em um nível mais específico do que os estratégicos. Exemplos de KPIs táticos incluem taxa de rotatividade de funcionários, margem de lucro e taxa de rejeição;
  • Operacionais: relacionados aos processos e atividades diárias da empresa. São utilizados no nível mais operacional e medem a eficiência das operações. Exemplos de KPIs operacionais são tempo de resposta ao cliente, taxa de retrabalho ou de entregas dentro do prazo.

Tipos de KPI

Além das classificações que te mostramos acima, os KPIs também podem ser divididos em tipos. Confira:

Primários

Os KPIs primários estão diretamente relacionados aos objetivos estratégicos e às principais metas da sua organização. Eles são os principais pontos de referência para medir o sucesso geral e o progresso em direção aos resultados desejados.

Os KPIs primários são cuidadosamente selecionados para refletir as áreas críticas que impulsionam o sucesso da empresa. Geralmente, eles são de natureza abrangente e estão alinhados com a visão de longo prazo do seu negócio.

Exemplos de KPIs primários incluem receita total, lucratividade, participação de mercado ou satisfação do cliente.

Secundários

Os KPIs secundários fornecem insights mais específicos e detalhados sobre aspectos operacionais ou funcionais da sua empresa. Eles são usados para medir o desempenho em áreas específicas que contribuem para o alcance dos KPIs primários.

Os KPIs secundários são selecionados com base na sua relevância para as metas estratégicas e variam de acordo com as diferentes áreas ou departamentos da organização. Por exemplo: em uma empresa de atacado, os KPIs secundários podem incluir a taxa de conversão, o tempo médio de atendimento ou nível de estoque.

Os KPIs secundários fornecem uma visão mais detalhada e específica do desempenho, permitindo que os gestores monitorem e ajustem as atividades operacionais para otimizar os resultados e contribuir para o sucesso global da organização.

Práticos

Os KPIs práticos são escolhidos com base em sua facilidade de aplicação e utilidade prática na empresa. Eles são selecionados levando em consideração a disponibilidade de dados e recursos para medição, bem como a capacidade de utilização efetiva das informações coletadas.

Os KPIs práticos são projetados para serem simples, claros e fáceis de entender e interpretar. Eles são escolhidos para fornecer informações relevantes e acionáveis que possam orientar as ações e decisões do dia a dia. Exemplos de KPIs práticos são a taxa de conversão de leads, o tempo médio de resposta a um cliente ou a taxa de cumprimento de prazos.

Ter KPIs práticos ajuda a garantir que as métricas escolhidas sejam aplicáveis, monitoradas regularmente e forneçam informações úteis para a gestão do desempenho organizacional.

Diferença entre KPI e métrica

Se você chegou até aqui, deve estar se perguntando: “ok, já entendi o que é um KPI, mas qual a diferença entre esse indicador e uma métrica? E um OKR?”

É justamente isso que vamos explicar neste tópico e no seguinte!

Embora KPI e métrica sejam frequentemente usados como sinônimos, eles têm significados distintos no contexto da gestão de desempenho.

Uma métrica é uma medida quantitativa ou qualitativa usada para avaliar um aspecto específico do desempenho. É uma forma de coletar dados e obter informações sobre determinado fenômeno ou processo. Exemplos de métricas são a taxa de conversão de leads e o tempo de resposta ao cliente.

Por outro lado, um KPI é uma métrica específica selecionada como um indicador-chave de desempenho para avaliar o progresso em relação a uma meta ou objetivo mais amplo.

Os KPIs são métricas que têm um significado estratégico e fornecem uma visão clara do desempenho em áreas críticas para o sucesso da organização. Eles são escolhidos com base na sua relevância e capacidade de informar a tomada de decisões. Exemplos de KPI são a taxa de crescimento de receita, de retenção de leads e a satisfação do cliente.

Desse modo, a principal diferença entre métricas e KPIs é o seu propósito e contexto. As primeiras são medidas gerais úteis para monitorar e entender um fenômeno, enquanto os segundos são métricas selecionadas intencionalmente para medir o progresso em relação a objetivos estratégicos e fornecer insights racionais para a tomada de decisões.

Diferença entre KPI e OKR

Agora, no que diz respeito à diferença entre KPI e OKR (Objectives and Key Results), podemos dizer que os OKRs são uma abordagem de gestão do desempenho que consiste em estabelecer objetivos ambiciosos e resultados-chave mensuráveis para atingi-los.

Eles são compostos por um objetivo principal e vários resultados que descrevem as metas a serem alcançadas em um determinado período de tempo. Esses resultados são os indicadores-chave que dividem em etapas e medem o progresso em relação a esse objetivo.

Diferentemente dos KPIs, os OKRs são mais orientados para metas de curto prazo e, na maioria das vezes, são revisados e atualizados trimestralmente.

Dessa forma, enquanto os KPIs são mais focados em medir e monitorar o desempenho em áreas estratégicas, os OKRs são mais voltados para a definição de metas ambiciosas e resultados-chave que impulsionam a sua conquista. Eles incentivam a definição de metas desafiadoras e a transparência na sua comunicação para toda a empresa.

Como definir KPIs assertivos em 6 passos

Agora que já explicamos tudo sobre a teoria de um KPI, vamos à parte prática!

Confira a seguir seis passos infalíveis para definir KPIs assertivos para a sua empresa:

#1 Defina estrategicamente os seus objetivos!

O primeiro passo para estabelecer KPIs eficazes é definir estrategicamente os seus objetivos. Essa etapa é fundamental para que esses indicadores estejam alinhados com a direção estratégica da sua empresa.

Para isso, é necessário identificar os objetivos-chave do seu negócio, levando em consideração a sua visão e missão. Eles devem ser claros, específicos e mensuráveis. Por exemplo: aumentar a sua participação de mercado em 20% nos próximos 12 meses.

Para fazer isso, é você pode realizar uma análise estratégica, avaliar o seu ambiente de negócios, identificar as necessidades dos seus clientes e considerar os seus pontos fortes e fracos.

A participação dos líderes e colaboradores também é fundamental para garantir que os objetivos sejam relevantes e abrangentes.

Por fim, ao definir estrategicamente as suas metas, é importante evitar a definição de muitos objetivos ou objetivos contraditórios, pois isso pode dificultar o foco e a medição do desempenho. Você deve priorizar objetivos-chave que sejam realmente significativos e prioritários para a sua empresa.

#2 Faça uma pesquisa de mercado!

O segundo passo para definir bons KPIs é realizar uma pesquisa de mercado. Essa etapa é essencial para obter insights sobre as melhores práticas e benchmarks relevantes para o seu nicho.

A pesquisa de mercado permite identificar os indicadores mais relevantes utilizados por organizações similares ou líderes no seu mercado. Dessa forma, ela ajuda a compreender métricas e padrões de desempenho comuns, fornecendo melhores referências e parâmetros para a definição dos KPIs.

A importância desse passo está em aproveitar o conhecimento existente e aprender com o que já deu certo. Isso permite avaliar o seu próprio desempenho em relação aos concorrentes e identificar áreas de melhoria ou oportunidades para aproveitar e se destacar.

Para realizar a pesquisa de mercado, é possível utilizar uma grande variedade de fontes, como relatórios, estudos, publicações especializadas e, até mesmo, benchmarking com empresas semelhantes.

Também é importante envolver todas as partes internas e externas, como colaboradores, clientes e fornecedores, para obter perspectivas valiosas.

Ao conduzir a pesquisa de mercado, é importante identificar os KPIs mais relevantes para o setor, considerando fatores como os objetivos e a natureza do seu negócio e as características do setor em que você atua. Essa pesquisa deve resultar em uma lista de possíveis KPIs relevantes para a sua empresa.

#3 Encontre o equilíbrio entre as suas necessidades e capacidades!

O terceiro passo para definir KPIs assertivos é encontrar o equilíbrio entre as necessidades e capacidades do seu negócio. Nessa etapa, é importante considerar os recursos disponíveis em relação às metas estabelecidas.

Encontrar esse equilíbrio é fundamental, porque os KPIs devem ser realistas e viáveis para a organização. Definir KPIs inalcançáveis ou que demandem recursos além dos disponíveis pode levar a frustrações e falta de comprometimento.

Para isso, é necessário realizar uma análise interna da sua empresa, considerando as suas capacidades, competências e limitações.

Também é fundamental definir KPIs desafiadores, mas alcançáveis. Eles devem refletir o potencial da sua empresa e estimular a melhoria contínua.

Além disso, é importante considerar o tempo necessário para alcançar os resultados desejados e estabelecer marcos intermediários para avaliar o progresso.

Esse passo é crucial porque ajuda a alinhar as expectativas, definir metas realistas e garantir o comprometimento e engajamento da equipe. Ao considerar as necessidades e capacidades da empresa, é possível estabelecer KPIs que impulsionam o crescimento de forma sustentável.

Por fim, é importante ressaltar que, ao encontrar o equilíbrio, é necessário ter flexibilidade para adaptar os KPIs conforme as circunstâncias. Revisá-los e ajustá-los periodicamente é essencial para garantir que eles continuem relevantes e alinhados com as suas necessidades.

#4 Escolha os melhores KPIs e defina como eles serão acompanhados!

O quarto passo para definir KPIs eficazes é escolher os melhores KPIs e determinar como eles serão acompanhados. Nessa etapa, é importante selecionar os indicadores mais significativos para medir o progresso em relação aos objetivos anteriormente definidos.

A importância desse passo reside na escolha criteriosa dos KPIs corretos, que fornecerão insights valiosos sobre o desempenho e o direcionamento das ações da organização. Eles devem ser específicos, mensuráveis, alcançáveis, relevantes e temporais (SMART), garantindo que sejam claros, diretos e passíveis de acompanhamento.

Para escolher os melhores KPIs, é necessário considerar os objetivos estratégicos, os resultados da pesquisa de mercado e a disponibilidade de dados relevantes.

Além da seleção dos KPIs, é necessário definir como eles serão acompanhados e medidos. Isso envolve determinar fontes, estabelecer métodos de coleta e análise e definir a frequência de monitoramento. Também é importante garantir que os dados sejam precisos, atualizados e disponíveis de forma oportuna para a tomada de decisões.

Uma abordagem eficaz é utilizar ferramentas que permitam o acompanhamento em tempo real dos KPIs. Isso facilita a visualização dos dados, a identificação de tendências e a rápida intervenção quando necessário.

#5 Comunique para toda a equipe!

O quinto passo para definir bons KPIs é comunicá-los para toda a equipe. Uma comunicação clara e abrangente é crucial para garantir que todos os membros da empresa compreendam esses indicadores, a sua importância e como eles serão utilizados para avaliar o desempenho.

A importância desse passo está em incentivar o alinhamento e engajamento do time em relação aos seus objetivos. Quando os funcionários entendem os KPIs relevantes para o sucesso da organização, eles podem direcionar seus esforços e tomar decisões melhores para contribuir com o desempenho geral.

Para comunicar os KPIs de forma eficaz, é necessário utilizar diferentes canais, como reuniões, e-mails, endomarketing etc. É fundamental explicar claramente o propósito dos KPIs, como eles serão medidos e quais são as metas associadas.

Além disso, é importante fornecer orientações sobre como os colaboradores podem contribuir para alcançar os KPIs e como seu trabalho individual está relacionado aos resultados do seu negócio como um todo. A comunicação deve ser contínua, incentivando a transparência, o diálogo e a colaboração.

Por fim, também é importante fornecer treinamento e suporte para garantir que todos tenham as habilidades necessárias para acompanhar e usar os KPIs de maneira eficaz. Isso inclui o fornecimento de recursos, a realização de workshops ou a designação de mentores internos.

#6 Faça o acompanhamento regular e modifique o que for necessário!

O sexto passo para definir KPIs eficazes é fazer o acompanhamento regular e modificar o que for necessário. Essa etapa é crucial para garantir a relevância e eficácia dos KPIs ao longo do tempo, uma vez que as circunstâncias e as necessidades da sua empresa podem mudar.

Para fazer o acompanhamento adequado, é necessário estabelecer uma frequência de análise e avaliação dos KPIs, que pode variar de acordo com a natureza do seu negócio e os objetivos estabelecidos.

Os resultados também devem ser compartilhados e discutidos com as partes interessadas, promovendo a transparência e a colaboração.

Durante o acompanhamento, é importante avaliar a relevância e a eficácia dos KPIs em relação aos objetivos. Se eles não estiverem fornecendo informações significativas ou alinhados com as suas necessidades, é necessário fazer ajustes, incluindo a adição, remoção ou modificação dos indicadores.

Além disso, é importante estabelecer uma cultura de aprendizado e melhoria contínua, incentivando a reflexão sobre os resultados dos KPIs e a implementação de ações para otimizar o desempenho.

Como fazer a gestão dos KPIs?

A gestão dos KPIs é um processo contínuo e fundamental para garantir que os indicadores estejam alinhados com os objetivos da sua empresa e sejam efetivos na medição do progresso. Para fazer isso, é importante seguir alguns passos:

Primeiramente, é importante estabelecer uma estrutura de gestão dos KPIs, que inclui a definição clara dos objetivos estratégicos, a seleção dos indicadores mais relevantes e a definição de metas específicas. Essa estrutura deve ser comunicada e compreendida por toda a equipe.

Em seguida, é necessário implementar um sistema para coletar, analisar e monitorar os dados. Isso deve ser realizado de acordo com a frequência estabelecida, garantindo a precisão e a atualização das informações.

Outro aspecto importante da gestão dos KPIs é a revisão periódica dos indicadores. Para isso, é necessário avaliar a sua relevância e eficácia ao longo do tempo, considerando as mudanças no ambiente de negócios e as necessidades do seu negócio. Nesse sentido, os KPIs devem ser ajustados, adicionados ou removidos para garantir que continuem fornecendo informações valiosas.

Uma comunicação contínua também é essencial na gestão dos KPIs. Os resultados devem ser compartilhados com todos os envolvidos, promovendo a transparência e o engajamento.

Por fim, a gestão dos KPIs deve ser uma prática de melhoria contínua. É importante realizar uma reflexão constante sobre os resultados, identificar áreas de melhoria e implementar ações corretivas para otimizar o desempenho.

Quais são os principais exemplos de KPIs de vendas?

Agora que você já entendeu tudo sobre os KPIs e como defini-los e geri-los, separamos a seguir os principais exemplos de KPIs de vendas para você aplicar na sua empresa. Confira:

Marketing

  • Taxa de conversão: mede a porcentagem de leads que se transformam em clientes;
  • Custo de aquisição de clientes (CAC): calcula o custo médio para adquirir um novo cliente;
  • Retorno sobre investimento (ROI): avalia a eficácia das campanhas de marketing em relação aos gastos;
  • Tráfego do site: mensura o número de visitantes que chegam ao site;
  • Taxa de rejeição: indica a porcentagem de visitantes que abandonam o site sem interagir;
  • Taxa de abertura de e-mails: verifica a porcentagem de e-mails abertos em relação ao total enviado;
  • Taxa de cliques (CTR): mede a porcentagem de cliques em relação ao número de visualizações;
  • Número de leads gerados: conta a quantidade de leads qualificados obtidos por meio das ações de marketing.

Pré-vendas

  • Taxa de conversão: mede a porcentagem de leads que se tornam oportunidades de negócio;
  • Tempo médio de resposta: indica o tempo necessário para responder a uma solicitação ou consulta de um lead;
  • Taxa de qualificação: avalia a porcentagem de leads que são qualificados como potenciais clientes;
  • Taxa de agendamento: quantifica a porcentagem de leads que agendam uma reunião com a equipe de vendas;
  • Taxa de follow-up: mensura a porcentagem de leads que recebem um acompanhamento ou retorno por parte da equipe de pré-vendas;
  • Taxa de resposta a cold calls: verifica a porcentagem de ligações frias que resultam em uma resposta do lead;
  • Taxa de conversão: mede a porcentagem de oportunidades geradas que se transformam em vendas;
  • Taxa de rejeição: indica a porcentagem de leads que são descartados ou desqualificados;
  • Número de leads gerados: conta a quantidade de leads qualificados obtidos por meio das atividades de pré-vendas.

Vendas

  • Receita: mensura o valor total de vendas gerado em um determinado período;
  • Taxa de fechamento: calcula a porcentagem de oportunidades que se concretizam em vendas;
  • Ticket médio: mede o valor médio das vendas realizadas.
  • Tempo médio do ciclo de vendas: indica a duração média desde o primeiro contato até o fechamento;
  • Taxa de vendas recorrentes: quantifica a porcentagem de vendas provenientes de clientes recorrentes;
  • Número de reuniões agendadas: conta a quantidade de reuniões agendadas com potenciais clientes;
  • Taxa de resposta a propostas: mede a porcentagem de propostas enviadas que resultam em uma resposta positiva;
  • Taxa de perda de vendas: indica a porcentagem de oportunidades que são perdidas para a concorrência ou não são fechadas.

Pós-vendas

  • Taxa de satisfação: avalia o nível de satisfação dos clientes com o produto ou serviço;
  • Taxa de retenção: quantifica a porcentagem de clientes que permanecem fiéis à empresa;
  • Número de reclamações resolvidas: conta a quantidade de reclamações de clientes que foram solucionadas;
  • Net Promoter Score (NPS): mede a disposição dos clientes em recomendar a empresa a outras pessoas;
  • Taxa de renovação de contratos: verifica a porcentagem de contratos que são renovados pelos clientes;
  • Taxa de reativação de clientes inativos: avalia a porcentagem de clientes inativos que são reconquistados;
  • Tempo médio de resolução de problemas: indica o tempo necessário para resolver problemas ou dificuldades enfrentadas pelos clientes;
  • Taxa de utilização do produto/serviço: mede a porcentagem de uso do produto ou serviço pelos clientes;
  • Taxa de upsell e cross-sell: quantifica a porcentagem de vendas adicionais ou upgrades feitos para clientes já existentes.

Por que o número de curtidas não é um bom KPI?

Se, depois dos exemplos acima, você sentiu falta do número de curtidas como um dos principais KPIs para marketing, saiba que foi intencional!

Por mais que muitos pensem o contrário, o número de curtidas em uma postagem nas redes sociais não representa um bom KPI por si só. Isso se dá por vários motivos.

Em primeiro lugar, as curtidas não fornecem uma medida precisa do valor real gerado pela postagem. Elas podem ser facilmente influenciadas por fatores como o momento da publicação, o uso de hashtags populares e o apelo visual da imagem ou vídeo. 

Além disso, as curtidas não indicam necessariamente uma ação concreta por parte dos usuários. A simples interação com o botão de curtir não implica em um engajamento mais profundo, como compartilhar, comentar ou clicar em um link. Essas ações têm maior relevância para a geração de leads.

Outro ponto é que o algoritmo das redes sociais pode afetar a visibilidade das postagens. Mesmo que uma publicação tenha muitas curtidas, ela pode não ser exibida para um grande número de seguidores devido aos critérios de classificação das plataformas.

Dessa forma, ao invés de se concentrar apenas no número de curtidas, é recomendado considerar métricas mais relevantes, como o engajamento, a taxa de cliques, compartilhamentos, comentários, tempo médio de visualização de vídeos ou número de leads gerados.

Elas fornecem uma visão mais abrangente do impacto real das postagens e ajudam a medir o verdadeiro ROI das suas estratégias nas redes sociais.

Conclusão

Se você chegou até aqui, parabéns!

Já pode se considerar um especialista em KPI e já está pronto para aplicar esses indicadores de forma assertiva na sua empresa.

Caso tenha restado alguma dúvida, deixe nos comentários!

Será um prazer responder e te ajudar a chegar ao topo junto com a gente!

Até a próxima leitura!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens relacionadas

Imagem que exemplifica o aumento de faturamento conquistado pela Empresa Eficaz após entrar na Comunidade Demanda Infinita da Growth Machine.

Case Empresa Eficaz: 2x o faturamento em apenas 60 dias

Descubra neste artigo como a Empresa Eficaz saiu de um faturamento mensal abaixo de R$50 mil para mais de R$100 mil em apenas 60 dias através das ferramentas, da mentalidade e do conhecimento adquirido na Comunidade Demanda Infinita.

Imagem que exemplifica a triplicação do número de agendamentos lograda pela Leão Marketeria no High Growth.

Case Leão Marketeria: 3x mais agendamentos em fim de ano

Descubra neste artigo como a Leão Marketeria conseguiu dobrar de tamanho e triplicar o seu número de agendamentos durante as festas de fim de ano, tudo isso através das estratégias e mentalidades aprendidas com a participação no High Growth.

Imagem que exemplifica dois touchpoints essenciais em vendas: e-mail e ligação.

Touchpoints: o que são, exemplos e 6 dicas para fazer

Confira neste artigo tudo sobre os touchpoints, desde sua definição, sua importância e suas funcionalidades até seus principais tipos, exemplos, como inseri-los na jornada de compra e seis dicas para ser mais eficiente e conversivo.